Subscribe:

terça-feira, 15 de julho de 2014

PARÁBOLA DA DOR



_

Anoitecia,
a Dor saíra em busca
de um peito onde ficasse agasalhada.

Êxtase. Paz. Enlanguescida e fusca,
a luz do poente iluminava a estrada...

Depois de muito andar, à beira do caminho,
avistou um ancião, a meditar sozinho,
sobre uma pedra.

Aproximou-se e disse-lhe:
"Homem,
eu vaguei no mundo a procurar um peito amigo,
trago rotos os pés!
Por tua compaixão, dá-me um abrigo,
...eu sou a Dor...e tu, homem, quem és?"

E o homem, levantando a fronte encanecida,
respondeu:

"Sou filósofo, sou pobre,
e vivo a vida de pensar na vida.
Mas, se queres um abrigo
para o resto da vida que me sobre,
podes morar, podes viver comigo...
És igual, para mim, a qualquer bem terreno:
- se tens outro sabor, tens o mesmo veneno
que todos eles têm!
E eu tenho o viver já quase findo,
sem um dia glória e sem um dia
de prazer, acredito que a alegria
é uma maneira de sofrer sorrindo!...

Portanto, Dor, se queres um abrigo,
podes morar, podes viver comigo".

"...Não, disse a Dor, os pensamentos teus
são céticos demais, não fico - adeus!".

Parti,
Era já noite feita. A lua,
como a Vênus dos astros, seminua,
bailava na amplidão...

Não muito longe,
a Dor viu um mosteiro e, junto à porta
de entrada, um velho e solidário monge.
Mendigou-lhe pousada, e o religioso
acolheu-a dizendo:

" - Entra em meu peito,
Serei, trazendo-te comigo, venturoso
e, chorando por ti, serei perfeito!
Tu serás minha glória, minha cruz.
Jesus, o Mestre, te adorou. E um dia
foste a glória sublime de Jesus!...

Tenho meu peito aberto para te acolher,
bem sei, és-me uma glória imerecida:
- feliz daquele que encontrar na vida
uma oportunidade de sofrer!".

A Dor tudo escutava. E o franciscano
concluiu a dizer:

"Em ti, encontro
a divina razão de ser humano!".

"- Não, disse a Dor, os pensamentos teus
são divinos demais, não fico - adeus!".

E a Dor seguiu, a passo:
A claridade
da lua, pôde ver ao longe uma cidade.
Alcançou-a, depois de alguns momentos,
A cidade dormia. E a Dor, perdida,
foi pelas ruas, caminhando ao léu...
Afinal, encontrou numa avenida
um moço que, deitado sobre um banco,
de olhos serenos, contemplava o céu.

" - Jovem, eu sou a Dor, e vivo em busca
de um peito humano que me ceda abrigo.
Por esta noite, ao menos, dá que eu possa
ficar comigo".

" - O que estás a pedir-me, disse o jovem,
é um sacrifício para mim, no entanto,
meu coração de moço não resiste
à tristeza de alguém sem ficar triste,
nem poder ver alguém chorar, sem ter desejos
de lhe enxugar o pranto!
Se queres, pois, um agasalho, então,
um agasalho encontrarás
em meu coração!

Que me faças sofrer mesmo a todo momento,
unicamente anseio
à glória de ter sempre, em meio ao sofrimento,
uma frase que abrande o sofrimento alheio!".

E a Dor, emocionada, exclama, então:
" - Sublimes e humanos são os pensamentos teus!
E eu não conheço verbo que resuma
o que em frases simplíssimas exprimes.
Extraordinário jovem, tu és, em suma,
um corpo humano onde palpita um deus!
Concede, agora, que eu te beije os pés.
Que de teu peito, para mim aberto,
faça a minha morada predileta...
...E, todavia, inda não sei como és".

E o moço, erguendo para os céus o incerto
e vago olhar, responde:
"Eu sou poeta".










Ferreira Gullar

2 comentários:

Night Lady disse...

Hi Sol Tamalyn ..
Yes I think the same as you many friends disappear and stop talking it's a bit sad .. but maybe they'll be back again soon ..
thanks for visiting and have a nice day hug Night Lady

sol Tamalyn disse...

Hello Lady you have reason, every person has their moments of loneliness ... is a right which the person has, kisses and thanks for the dear affection.

Postar um comentário